Arquivo da tag: amadeu preso

maranata – ja vinhamos denunciando – Líderes da Maranata praticavam espionagem contra membros e ex-fiéis

Líderes da Maranata praticavam espionagem contra membros e ex-fiéis

Provas são os documentos apreendidos pelo Ministério Público Estadual, que levaram a decretação da prisão de dez pessoas

Documentos apreendidos pelo Ministério Público Estadual (MPES) revelam que até espionagem era praticada pelos líderes da Igreja Cristã Maranata. As informações obtidas de forma clandestina, explicam os promotores do Grupo Especial de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), eram utilizadas contra membros da própria igreja, fiéis que deixaram a instituição e até contra testemunhas que estavam sendo ouvidas na investigação.

Foto: Nestor Müller

 Nestor Müller

Gedelti Gueiros alegou desconhecer o motivo da prisão: “Ninguém me disse nada”

Segundo o promotor Paulo Panaro, as provas de espionagem foram apreendidas em março deste ano, nas casas e escritórios dos líderes da igreja. Além de dossiês de diversas pessoas, havia até documentos endereçados ao pastor Julio Cezar Costa – interventor da igreja –, referentes à compra de equipamentos de vigilância.

Processo

Provas como essa, além de outras, que segundo Panaro já fazem parte do processo, levaram a decretação da prisão de dez pessoas, entre elas o líder histórico da igreja, Gedelti Gueiros. Outras sete estão sujeitas a medidas cautelares, com restrições legais, como a entrega do passaporte. Outros dois vão responder ao processo em liberdade. Os detidos ontem foram levados para o Centro de Triagem de Viana.

A decisão é do juiz Ivan Costa Freitas, da 8ª Vara Criminal de Vitória. Ele aceitou a denúncia feita pelo MPES em maio deste ano. Com isto, todos os denunciados passam a condição de réus, respondendo a processo criminal pelos crimes de formação de quadrilha, estelionato, apropriação indébita e duplicata simulada (emissão de notas frias). O desvio de recursos do dízimo da Maranata pode chegar a R$ 30 milhões.

Para promover o desvio dos recursos doados pelos fiéis, uma verdadeira organização criminosa foi identificada atuando na Maranata, segundo denúncia do MPES já acatada pela Justiça. Lá os réus estabeleceram um engenhoso esquema de desvio de doações, dízimos e contribuições oferecidas pelos fiéis, em benefício próprio.

Eles se valiam, segundo a denúncia, da criação de empresas e até da emissão de notas superfaturadas. Até carros de luxo teriam sido comprados pela igreja, mas usados por membros da diretoria. Sem contar imóveis que teriam sido transferidos para o nome de Gedelti Gueiros. Fato que o juiz pede para ser mais bem analisado.

Em sua decisão o juiz pontua que as provas anexadas ao processo revelam a “existência de uma sofisticada organização criminosa estruturada profissionalmente, de forma estável e permanente”.

Destaca ainda o juiz que no processo “há indícios de conduta de extrema gravidade”, ao citar as ameaças feitas a um promotor, uma juíza e a testemunhas ouvidas no processo. Fato que chegaram a resultar na prisão de pastores, em março deste ano, inclusive do próprio Gedelti.

Defesa

Pela manhã, logo após ser preso em sua casa, Gedelti alegou desconhecer o motivo de sua prisão. “Não sei por que estou sendo preso. Ninguém me disse nada”, assinalou. Na denúncia acatada pela Justiça, o MPES afirma que Gedelti, mesmo afastado da presidência, continuava “mandando e desmandando na igreja”. Descumpria até decisões da Justiça, como a proibição de se reunir no Presbitério de Vila Velha e maanains.

Esquema

A articulação entre os líderes presos era tão grande, segundo o juiz, que eles viabilizaram junto ao interventor Julio Cezar Costa, o retorno de um dos denunciados – Amadeu Lopes – para a administração da igreja.

Dentre os detidos também estava Carlos Itamar Pimenta. Ele aparece nos autos como o autor de processos contra a imprensa, que tinham o objetivo de criar obstáculos para divulgação de dados da Igreja. Ele também é denunciado por coagir testemunhas.

Para o advogado de Gedelti e Itamar, Fabrício Campos, as prisões foram ilegais. Os advogados dos demais presos não foram localizados. A prisão do pastor Arlínio de Oliveira Rocha foi substituída por prisão domiciliar por ele estar se recuperando de uma grave cirurgia, segundo aponta o juiz em sua decisão.

Os presos

 A Gazeta

Gedelti Victalino Teixeira Gueiros (preso)

É apontado como líder supremo da igreja, onde “manda e desmanda”, segundo a decisão judicial. Dono de vários imóveis, não cumpriu decisões da Justiça.

 A Gazeta

Amadeu Loureiro Lopes (preso)

Tido como mentor de artimanhas para se apropriar de recursos da igreja. Há indícios de sua participação no desvio de recursos do dízimo para o exterior

 A Gazeta

Carlos Itamar Coelho Pimenta (preso)

Participou de várias reuniões que visavam a coação de testemunhas e é apontado como braço jurídico da Igreja em “atos não condizentes com o Direito”

 A Gazeta

Antonio Angelo Pereira dos Santos (preso)

Ex-vice-presidente da Maranata, teria recebido recursos da igreja, inclusive em dólares, simulando prestação de serviços

 A Gazeta

Leonardo Meirelles de Alvarenga (preso)

Contador, apontado como recebedor de vultuosas quantias a pretexto de ajuda a irmãos no exterior, com infração a vários artigos do Código Penal.

 A Gazeta

Jarbas Duarte Filho (preso)

É uma dos pastores da Maranata apontados como recebedores de quantias em dinheiro, incluindo dólares e outras moedas, utilizadas de forma ilegal.

 A Gazeta

Wallace Rozetti (preso)

Tesoureiro do Presbitério de Vila Velha, é uma das pessoas que recebiam quantias em dinheiro, incluindo dólares e outras moedas

 A Gazeta

Antonio Carlos Peixoto (preso)

É uma dos pastores da Maranata apontados como recebedores de quantias em dinheiro, incluindo dólares e outras moedas, utilizadas de forma ilegal.

 A Gazeta

Antonio Carlos Rodrigues de Oliveira (preso)

Apontado como um recebedores de quantias em dinheiro, incluindo dólares e outras moedas, utilizadas de forma ilegal.

Edson Chagas

Arlínio de Oliveira Rocha (prisão domiciliar)

Apontado como um recebedores de quantias em dinheiro, incluindo dólares e outras moedas, utilizadas de forma ilegal.

Outros réus

Investigados
A denúncia contra eles foi aceita, mas vão responder ao processo criminal em liberdade
Mário Luiz de Moraes
Sérgio Carlos de Souza

Sob medida cautelar
Sujeitos a várias restrições, até a entrega do passaporte
José Eloy Scabelo
Ricardo Alvim M. Andrade
Daniel Amorim
Daniel Luiz Peter
Paulo Pinto
Cardoso Sobrinho
Wellington N. Silva
Urquisa Braga Neto 

Fonte: A Gazeta

fonte: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/06/noticias/cidades/1450813-lideres-da-maranata-praticavam-espionagem-contra-membros-e-ex-fieis.html

igreja maranata – São vários esquemas feitos no Hospital Metropolitano e no Vitoria Apart. A filha do papagueiros é dona lá e esse contrato foi autorizado e revisado pelo Gedelti para a filha assinar

Bom dia!

Governador Paulo Hartung visita o maanaim da igreja cristã maranata - a obra não faz politica

Governador Paulo Hartung visita o maanaim da igreja cristã maranata – a obra não faz politica

Agora que a casa caiu geral, não adianta querer esconder a sujeira debaixo dos tapetes dos papagueiros pois a tempestade de denúncias provocou o redoiminho e vento (MP, PF) está espalhando a sujeira do ninho.

Srs. Promotores de Justiça, aproveitem e investiguem a filha do papagueiros pois ela é uma laranja la no Hospital Vitoria Apart de um ambulatório. Mais um buraco no poço de iniquidades e tem dintehiro…. muito dinheiro nisso. Que família mais unida na patifaria essa! Todos os contratos foram feitos por SS. Todo mundo sabe mas tem medo de mexer com essa gente, cercada de espero que alguém tenha tido a coragem de ter ido depor no MP.

São vários esquemas feitos no Hospital Metropolitano e no Vitoria Apart. A filha do papagueiros é dona lá e esse contrato foi autorizado e revisado pelo Gedelti para a filha assinar. O papagueiros estava sentadinho no antigo posto de gasolina que tinha na saída de terceira ponte esperando o contrato para ler e levar pra sua filha assinar.

Ela não é inocente nesse esquema é tão cúmplice como todos os gueiros, incluindo a papagueiros de saias Sara dona do cartão sem limites. Essa ai tem patrimônios imensos.

MP tambem deve investigar a juiza amiga de porta do papagueiros, há um esquema da ponte seca VIX. Lá tem um estacionamento privado… Está em nome de laranja… Os verdadeiros donos são essa juíza e 1 membro da família Laranja que mora nos EUA. Ela queria colocar como laranja dela um ex motorista mas ele não quis.

Investiguem a Juíza que acharão o esquema da ponte seca dos estacionemnto privativo. Esse é um dos motivos dela deixar vazar as informações para papagueiros.

Paz!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/10/negocios-nebulosos-seguros/comment-page-3/#comment-52000

igreja maranata – amadeu e gedelti usam a Bíblia para coação – para enganar os servos de Deus

Membros da Maranata no ES usam Bíblia para coação, diz promotor

Paulo Panaro informou que, após prisões, ameaças continuaram.
Membros são investigados por estelionato, tráfico de influência e outros.

Os líderes da Igreja Maranata presos nesta terça-feira (12), em Vila Velha, na Grande Vitória, suspeitos de intimidarem testemunhas e autoridades, usavam a Bíblia como forma de coação. A afirmação foi dada pelos promotores de justiça do Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES) Paulo Panaro e Jerson Ramos, em entrevista ao Bom Dia Espírito Santo, na manhã desta quarta-feira (13). Além disso, Panaro também informou que, mesmo após as prisões, uma testemunha continuou sendo coagida e ameaçada.

Os quatro pastores presos nesta terça-feira, em uma operação conjunta entre o Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES) e Polícia Federal, são apontados como agentes intelectuais que estariam interferindo no curso das investigações, ameaçando e intimidando testemunhas a mudarem seus depoimentos e até membros do Ministério Público e do Judiciário. A Igreja Cristã Maranata é investigada pelo MP-ES desde março de 2012, por crimes como estelionato, lavagem de dinheiro, tráfico de influência, falsidade ideológica e desvio de erário.

O MP-ES deu mais detalhes de como aconteciam as coações, que utilizavam até a Bíblia. “Membros da Igreja Cristã Maranata estavam sendo coagidos pelos líderes da igreja. É uma instituição hierarquizada. O pastor por ser o líder tem a dominação de todo o seu rebanho, e o que ele diz deve ser realizado. Então, essa coação, diferente da normalidade, onde a coação é direta dizendo o que uma pessoa deve fazer ou deixar de fazer, ela é feita através do uso de uma interpretação manipulada da Bíblia”, explicou o promotor Paulo Panaro.

Para o também promotor Jerson Ramos, trechos da escritura sagrada eram usados de maneira subliminar. “Distorciam a forma da mensagem, trazendo informações subliminares, que acuavam as pessoas, que ficavam subjugadas às pessoas que transmitem a mensagem. As pessoas ficaram apavoradas”, esclareceu.

Algumas expressões utilizadas dentro da própria igreja também eram usadas como forma de coagir as pessoas. “O que se observa é o seguinte, dentro da instituição, a expressão ‘caído’ para eles é muito grave. Você ser um caído é gravíssimo, ser um excluído é gravíssimo. Eles excluíam as pessoas dentro da própria instituição, ela é relegada a segundo plano, como forma de coação, eles se sentiam caídos, excluídos”, frisou Panaro.

Intimidações continuam
O promotor Paulo Panaro também afirmou ter recebido uma denúncia na tarde desta terça-feira (12) dizendo que uma testemunha recebeu telefonemas ameaçadores, mesmo após as prisões. “Mesmo a Justiça tendo determinado a prisão dessas pessoas com a finalidade de fazer cessar essas coações, parece que a ação da Justiça não as intimidou. Ontem (terça-feira), cheguei ao meu gabinete e encontrei um documento assinado de uma das vítimas, falando que tão logo a imprensa veiculou a notícia das prisões, a pessoa recebeu três telefonemas ameaçadores. Diziam ‘Fulano, você viu o que você fez?’ Eu vim de longe para te pegar, vou só esperar a poeira baixar para você ver o que vai acontecer”, revelou o promotor.

Segundo Panaro, a testemunha coagida nesta terça-feira (11) já vinha sofrendo ameaças. “Essa é uma testemunha que queriam que ela se retratasse, ela não se retratou e isso está acontecendo com ela. Vou investigar as ligações para detectar os proprietários das linhas e tomar as medidas cabíveis”, concluiu.

Outro lado
Por meio de nota, a Igreja Cristã Maranata disse que jamais coagiu testemunhas ou ameaçou autoridades. Ainda informou que está processando judicialmente aqueles que estão acusando a instituição, de acordo com a lei. A Igreja acredita que todas as acusações e acontecimentos desta terça-feira, com a prisão dos pastores, foram pautadas no desejo de retaliação e perseguição.

A Igreja Maranata foi criada no Espírito Santo há 45 anos e conta com mais de 5 mil templos em todo o país. No último domingo (10), um evento realizado pela igreja reuniu mais de 100 mil pessoas em Vitória.

fonte: http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2013/03/membros-da-maranata-no-es-usam-biblia-para-coacao-diz-promotor.html

igreja maranata – os três morcegos que atacaram o Pastor Fernando Athayde a comando do gedelpapa

Para entender o occorido neste caso:

O Pr. Fernando Athayde estava com problemas cardíacos á beira da morte internado na UTI do Hospital Evangélico em Vila Velha.

O primeiro morcego a chegar o Elson, atual presidente da maranata, ameaçando e jogando pragas em um homem que qualquer tipo de alteração em seu estado poderia levar á morte.

O segundo morcego, o Amadeu tentou entrar no quarto mas não conseguiu! Voltou a casa e vestiu sua roupa de médico para ter acesso como profissional ao paciente que estava á beira da morte.

O terceiro e último morcego, o Pereira, apareceu como pastor mas não teve acesso pessoal. Somente ficou na janela fazendo gestos de cortar a garganta ao Pr. Athayde.

Durante todas estas visitas o Pr. Athayde estava devido ao seu estado de saúde imobilizado e entregue às ameaças dos morcegos da maramáfia.

O caso Amadeu é muito especial! Como médico ele conhecia o estado do paciente e ninguém pode negar – sabia que este tipo de atitude poderia trazer a morte do Pastor Athayde – foi uma tentativa! Mas Deus o protegeu! Glória!

O resto da história está nos jornais:

Caso Maranata: CRM-ES vai investigar conduta de pastor preso acusado de coação

Em depoimento à Polícia Federal, outro pastor da congregação disse ter recebido ameças para mudar depoimento em investigação

O Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM/ES) vai abrir uma sindicância para apurar a conduta do médico e pastor da Igreja Maranata Amadeu Loureiro Lopes. Em depoimento à Polícia Federal, outro pastor da congregação disse ter recebido ameças de Amadeu enquanto se recuperava de uma cirurgia cardíaca, em um hospital da Grande Vitória.

Se a apuração do Conselho constatar infração, um procedimento ético profissional será aberto e poderá resultar em punições para Amadeu Lopes. Elas podem ir de simples advertência até a cassação do registro profissional.

> Leia mais notícias no Minuto a Minuto

Não houve denúncia formal ao CRM, mas a decisão de abrir a sindicância foi tomada a partir de informações publicados pela imprensa. O advogado de Amadeu Lopes preferiu comentar nada sobre as acusações contra o médico. Ele foi preso preventivamente na última terça-feira durante as invetigações sobre coação a testemunhas do processo que avalia possíveis desvios de dinheiro do dízimo dentro da Igreja Maranata.

Testemunha denuncia ameaça após prisões

O pastor que disse ter recebido as ameaças de Amadeu falou à Polícia Federal, em janeiro deste ano. Em depoimento, afirmou que foi coagido a mudar a versão dada nas investigações sobre os desvios. Além de Amadeu, Elson Reis, presidente da igreja, também teria ido ao hospital forçar mudança no posicionamento da testemunha.

Leia também
> Igreja acusa promotor e pede indenização
> Denunciante: “Sem surpresa”
> Coação era para evitar apuração de fraudes

Outro pastor da Maranata, o advogado Itamar Coelho, também foi preso na última terça sob acusação de ameaçar testemunhas. Procurada, a Ordem dos Advogados do Brasil no Espírito Santo (OAB/ES) informou que só iniciará apurações internas contra o advogado preso se ele for condenado judicialmente. Antes da conclusão dos processos, não tomará nenhuma medida contra Itamar. O médico e o pastor continuavam detidos nesta quinta-feira.

Matéria Maranata - Os detidos: Gedelti, Elson Carlos Itamar e Amadeu Loureiro

Em alguns casos, testemunhas eram levadas a cartórios para desdizer o que haviam dito.Segundo o promotor Paulo Panaro, em recente entrevista à CBN Vitória, há casos documentados de pessoas ligadas à igreja que davam as novas declarações ao oficial do cartório no lugar das vítimas, que apenas assinavam o documento. Essas manobras, segundo o promotor, eram orientadas por advogados.

Material apreendido com pastores é analisado

O material apreendido nas residências e nos escritórios de líderes da Igreja Maranata e na Rádio Maanaim, na última terça-feira, começou a ser analisado nesta quinta-feira. O trabalho está sendo feito pelos promotores do Grupo Especial de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), junto da Polícia Federal.

O promotor de Justiça Paulo Panaro não quis adiantar informações sobre o que foi encontrado. Os documentos foram apreendidos durante operação realizada pela Polícia Federal, que prendeu quatro pastores que lideravam a Maranata.

Todos eles são acusados de coagir testemunhas para garantir que mudassem depoimentos já prestados à Justiça e que prejudicam líderes da Maranata. Pelo menos 20 pessoas foram ameaçadas, entre elas um promotor e uma juíza.

Relembre o caso

> Bens de pastores da Maranata crescem 6 vezes
> Pastor briga para retomar a liderança da igreja Maranata
> Operação apreende documentos em sedes da Igreja Maranata
> Fraude derruba toda a cúpula da Igreja Maranata
> Igreja Maranata: dízimo desviado em fraude milionária
> Pastor usou ‘visão’ para justificar desvio
> Envolvido em compras foi preso pela federal
> R$ 1,8 milhão doados à igreja
> Igreja contratou sobrinho de presidente
> Maranata: “uma igreja que surgiu da luta pelo poder”
> Maranata pagou R$ 941 mil em materiais nunca entregues
> Maranata: líder da igreja é investigado
> Crimes federais investigados

Fonte: Rádio CBN Vitória (93,5 FM)

fonte: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/03/noticias/cidades/1418735-caso-maranata-crm-es-vai-investigar-conduta-de-pastor-preso-acusado-de-coacao.html

É para este tipo de “homem”,  “pastor”, “médico” que o presbitério espírito santense ou melhor os representantes dos donos da seita pedem oração:

“MARANATA – PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE
Rua Torquato Laranja, 90 – Centro – Vila Velha – CEP.: 29100-370 – ES – Brasil
Tel. (27) 2122-3300 – Fax. (27) 2122-3395 – E-mail: secretaria@presbiterio.org.br
Vila Velha/ES, 14 de março de 2013
CIRCULAR N.º 036/13
ORAÇÃO
Solicitamos as intercessões das Igrejas em favor dos Pastores Amadeu Loureiro Lopes,
Elson Pedro dos Reis, Carlos Itamar Coelho Pimenta e Gedelti Gueiros e suas respectivas
famílias.
“Pedro, pois, era guardado na prisão: mas a igreja fazia contínua oração por ele a
Deus”. At 12:5
A Paz do Senhor
A Secretaria. ”

igreja maranata – nos Pólos de Santa Mônica, Santos Dumont e Araçás, está recheada de PM’s se apresentam de farda e arma na cintura nos eventos das unidades locais e dos maanains

ATENÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO:

PM da maranata com apelido de maramáfia

PM da maranata com apelido de maramáfia

A Área de Santa Inês (Vila Velha/ES), que compreende os Pólos de Santa Mônica, Santos Dumont e Araçás, está recheada de PM’s se apresentam de farda e arma na cintura nos eventos das unidades locais e dos maanains.

Batismos, ceias, reuniões de pastores e obreiros, grandes convocações, seminários (inclusive nos seminários de crianças que estão acontecendo agora em março) são alvo da “proteção” desses servidores públicos que fazem uso de suas atribuições para satisfazer interesses privados e para evitar que pessoas “indesejadas” compareçam aos eventos.

Ora, Jesus não veio para os doentes?

Por que policiais ficam nos portões das igrejas ICM para impedir a entrada dos mendigos, dos moradores de rua e dos viciados?

Será porque o desejo do fundador da ICM sempre foi criar uma casta de evangélicos soberbos, uma elite espiritual?

Ele só esqueceu o seguinte: a soberba precede a queda!

O Tsunami só está começando!!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/03/o-preco-da-seguranca/#comment-51837

igreja maranata – vidas ceifadas tiveram seus corpos jogados próximo ao porto de Vitória onde os peixes comem tudo……

Graça e Paz amadoss!!

os mortos (assassinatos?) não falam mais

os mortos (assassinatos?) não falam mais

Tem muita gente que fez muita coisa errada com dinheiro de dizimos na ICM que agora vive “escondido” e com despesas pagas, para que fiquem de “bico” calados!

Em Curitiba residiu por poucos meses o unico filho de um dos pastores da cúpula. Ele contou-me de próprios lábios as “falcatruas” do PES. E, para se manter calado, o próprio PES pagava o aluguel dele com todas as despesas inclusas, colégio do filho, combustível do carro e uma quantia mensal para mercado, roupas, calçados…

Foi nessa época que nossos olhos se abriram….
Foram dias de angústia e muito chorooo!!

Ele até comentou que vidas ceifadas tiveram seus corpos jogados próximo ao porto de Vitória onde os peixes comem tudo…….

Quase surtamossss, entramos em desespero total e aí iniciamos nossa avaliação no que ouvíamos, e entendemos o quanto éramos manipulados… tem muita coisa para sair de debaixo do tapete…..

Graça e PAZ
.
.
Clicélia,

Cartão sem lites?

Gastança para os ricos à custa da miséria dos pobres?

Minha irmã,
a respeito da denúncia em
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/03/prisao-de-pastores-da-maranta/comment-page-3/#comment-51723
aguardamos resposta.

O clamor é notório e público
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/03/o-clamor-publico/

O poço de iniquidades começou a ser destrancado… e o poço não tem fundo.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/02/poco-de-iniquidades/

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/03/o-preco-da-seguranca/#comment-51841

 

 

Comentário:

O poço de iniquidades começou a ser destrancado… e o poço não tem fundo MESMO!

De São Paulo os irmãos estão pedindo em cooperação com o Ministério Público de São Paulo – tudo que está sendo “revelado” é somente a ponta do iceberg.

Do sul do país irmãos nos chamam para entrar em contato com o Ministério Público – porque gente “morreu” que tinha “conhecimentos” do esquema de contrabando.

O grito mais alto vem de Minas Gerais de Governador Valadares/Vale do Aço – que é controlada pelo Daniel Morreira. Policiais se “glorificando” que já mataram em nome da obra e a comando dos donos da obra!

Quero deixar o recado a estes irmãos:

Está na hora – dirigam-se ao Ministério Público e denunciem. Peçam proteção ou façam a denuncia anônima! Falem nomes, datas e endereços se conhecerem. Ou falem aqui!

O Ministério Público do Espírito Santo está trabalhando com forças que vieram de fora do estado! A infiltração dos membros “escolhidos” à mão pelo gedelpapa estavam usando os cargos para ABAFAR. Da forma que abafaram a denuncia do Hospital Gloria.

Provas foram entregas no ministério Público em 2002 que um familiar dos donos da obra estava transferindo pacientes dos hospitais publicos convencendo eles que nos hospitais do SUS corriam perigo de infeções e morte. Enviava os pacientes já com “recibo” em mãos para o hospital da maranata no bairro Glória – aonde estão esses recibos? Eles sumiram do antigo Ministério Público!

Nesse mesmo hospital também teve um caso de pedofilia de um médico da maranata que foi abafado. O silêncio dos policiais e familia da vítima comprado com o dízimo. Em 2002.

Em Vila Velha/St. Dumond o “pastor” coordenador junior adora atirar em serviço em “criminosos”. Ele também adora fazer viagens para Italia pagas com o dízimo e com malas “cheias” para entregar ao coordenador na Italia “Pastor” Gean – que está “podre” de rico com apartamentos de frente para o mar em Vila Velha!

Esse coordenador da area de St. Dumond, que também foi segurança do ex-governador do Espírito Santo com certeza sabe qual é a relação entre maranata e a morte do Policial Joelson Caetano que morreu com um carro sem freios vindo de uma reunião com a cupula da maranata – um carro que tinha poucas semanas que saiu da concessionária! Nessa reunião lhe foi “pedido” ou dado a ordem para um serviço sujo que ele não aceitou! Negou a ordem do PES e morreu!

A cada dia se torna mais necessário investigar certas mortes como as do Policial Joelson, do Julio César no Paraná e do Pastor Firme que morreu em um exame rotina em um hospital controlado pela cupula da maranata.

maranata – explica para mim: porquê quem testemunha contra a maranata sempre morre de acidente trágico de carro ou em hospital da maranata em exame de rotina?

POLICIAL JOELSON CAETANO: CRIME SE MANTEM INSOLÚVEL

morre pastor da maranata em acidentemorre obreiro da maranata em acidente

Por : Pettersen filho

Departamento de Administração Geral da Polícia Civil Capixaba, responsável, entre outras coisas, pelos setores de aquisição e alienação de bens materiais da Polícia Civil , mesas, computadores, viaturas, e outras as quinquilharias necessárias ao funcionamento da MaquinaPública , conhecida pela sigla DAGE, bem como incumbida da Administração de Pessoal, sem as quais a Polícia , enfim, a própria Segurança Pública , não ocorre, seja pela falta de combustível, por exemplo, para as viaturas, ou papel e tinta, para as impressoras e computadores, imprescindíveis, tem, agora, a Divisão, nova Chefia : O competente Delegado Paulo César .

Homem, aparentemente, capaz, Mineiro da Região de Ubá, Zona da Mata Mineira, mais integrada aos valores e costumes do Estado do Rio de Janeiro, de quem guarda certa pronuncia, no modular da voz, conforme oportunidade que tivemos de despachar com a Digna Autoridade em questão, o Delegado Paulo César tem pela frente, depois de encerrados cerca de oito anos de Governo Paulo Hartung, a difícil “ Missão ” de acertar as coisas no Departamento , sobretudo, segredo guardado a sete chaves, apos o recente escândalo, ainda pouco digerido, que culminou na Morte, ou “Suicídio”, do Investigador de Polícia Civil Joelson Caetano , durante muitos anos, responsável pela ingrata “ Tarefa ” de aferir, contratar, controlar, dispor, decidir, muito embora sendo apenas um Investigador de Polícia Civil de Primeira Investidura, as compras e alienações da Polícia Civil , a frente da DTM – Divisão de Transportes e Materiais, cargo, normalmente, atribuído a um Delegado de Polícia , mas não no caso, em que o Investigador Joelson Caetano , logicamente, com aval da Chefia anterior, a que era subordinado, tinha as atribuições, diretamente vinculado ao DAGE .

Morto em suspeitoso acidente na BR 101 Norte , próximo de Ibiraçu/ES, no finalzinho de 2010, no entanto, bem no fechar das contas do Governo Hartung , numa espécie de “ Passa a Régua ”, poucas horas após assumir, sozinho, monumentais desvios na Divisão , perante o Delegado Corregedor Geraldo Martinho, Joelson Caetano , até então, Policial Exemplar , na verdade, aparenta ser o “Ponta do Fio” de um esquema muito mais profundo, que lesou, durante anos-e-anos, os Cofres Públicos do Estado do Espírito Santo, cuja morte, profundamente envolta em mistério, levou, juntamente com o Criminoso Confesso , (Confissão, em qualquer processo, é prova apenas relativa, devendo ser acompanhada dos demais elementos probatorios), também o Crime , sobre o qual nada mais se fala.

Merecedor , entretanto, de uma Investigação mais apurada, já que tamanho era o Esquema , completamente impossível de ser engenhado, produzido, manuteido, por um só Agente , caberá, naturalmente, ao Delegado Paulo César , acertar a questão, a fim de impedir que fatos iguais, não mais ocorram.

Figurando como simples “Acidente de Trânsito”, a vida pregressa do Policial Joelson Caetano , ademais, merece mais respeito, até pelas atitudes corretas que assumiu e as pressões monumentais que recebeu, ao assumir o “Cargo”.

Consistindo em “ Baixar ” viaturas do Patrimônio da Polícia, as antigas e imprestáveis, mas com expressivo valor de Mercado, bem como contratar Serviços e Manutenção sem as devidas formalidades, embolsando os fundos respectivos, caberá, certamente, ao Delegado em questão, sanar tais situações, ao mesmo passo que a ele cabe encaminhar esse ou aquele processo, à um e outro setor da Polícia, sempre a bem do Relevante Interesse Público.

É isso, enfim, o que se espera da Autoridade Pública: Transparência, Impessoalidade e Publicidade , conforme Norma que rege o Serviço Público Estadual, quiçá, Tupiniquim .

OBS: Materia reeditada:
Saiba mais sobre o Acidente em:

http://www.aepes.com.br/index

http://gazetaonline.globo.com/conteudo/2010

Neste caso a pericia foi clara:  ”o carro foi mexido no motor e nos freios, o carro era novo”

Joelson era “pastor” da maranata e prestava “outros serviços” ao PES, quando negou aconteceu o acidente!

Lembramos do caso recente do Pr. morto no Paraná:

PASTOR DO ES INVESTIGADO POR FRAUDE NA IGREJA MARANATA MORRE NO PR

Religioso morreu em acidente em rodovia estadual do Paraná.
Ministério Público Federal investiga a denúncia desde fevereiro deste ano.

morre pastor da maranata em acidente

O pastor da igreja Cristã Maranata no Espírito Santo, Júlio César Viana, morreu em um grave acidente em uma rodovia estadual do Paraná, no domingo (28). Ele era um dos investigados no esquema quedesviou dinheiro do dízimo da igreja capixaba. O Ministério Público Federal investiga a denúncia desde fevereiro deste ano.

O advogado de defesa do pastor Júlio informou ao G1 que o corpo  foi velado e enterrado na última segunda-feira (29) no Sul do país. Ele ainda disse que não tem informações sobre o andamento do processo que investiga a sua participação no esquema da Maranata.

Sobre o acidente, a Igreja Maranata informou que o carro dirigido pelo pastor seguia da cidade de Marechal Cândido Rondon para Curvado, também no Paraná. Júlio César perdeu o controle em uma curva, saiu da pista, capotou e caiu num barranco às margens da rodovia PR- 467.

De acordo com a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), a queda foi de aproximadamente dois metros. O pastor ficou preso nas ferragens e morreu no local. Outras três pessoas que estavam no carro tiveram ferimentos leves e foram encaminhadas para um hospital de Marechal Cândido Rondon. A polícia não soube afirmar o que fez o pastor perder o controle da direção. Não chovia no momento do acidente.

Entenda o caso
A suspeita de desvio de mais de R$ 2 milhões arrecadados do dízimo pago por fiéis, além de compras superfaturadas e caixa dois, fez ex-membros da Igreja Maranata, no Espírito Santo, processarem três pastores e um contador. Entre eles, está um ex-vice-presidente da instituição, criada há 43 anos no estado e que já possui 5,5 mil templos no Brasil e em outros países. A ação corre na 8ª Vara Cível de Vitória e o G1 teve acesso ao documento que apontava fraudes. O Ministério Público Estadual (MP-ES) informou que as denúncias direcionam para diversas irregularidades.

Como funcionava?
Um serviço que custaria, por exemplo, R$ 5 mil, era registrado como se valesse R$ 8 mil. Segundo a denúncia, a igreja pedia nota fiscal com valor superfaturado e no acerto de contas as empresas ficaram com o valor real do serviço. Os demais R$ 3 mil, nesse exemplo, eram desviados para o ex-vice presidente da igreja ou por pessoas indicadas por ele. “Vi documentos que comprovam que o patrimônio de um dos denunciados é assustador, incompatível com o que ele ganhava”, exemplificou o ex-pastor, que preferiu não se identificar. Ele ainda disse que há evidências de que a fraude acontecia desde 2006.

Investigação interna
Diante dos acontecimentos, a própria igreja maranata resolveu investigar, um procedimento administrativo foi aberto e uma comissão interna ouviu depoimentos, analisou o que aconteceu no escritório de contabilidade da igreja nos últimos 5 anos.

De acordo com o procedimento administrativo, somas que chegam a mais de R$ 20 milhões foram movimentadas nos últimos anos por meio de notas fiscais suspeitas. O dinheiro que teria sido usado, inclusive, para pagamento de prestação de imóveis, carros e compra de dólares enviados para o exterior pelo ex-vice-presidente.

Um grupo formado por ex-membros da Maranata investigou e montou um relatório sobre a atividade irregular na igreja. De acordo com o advogado que representa o grupo, os fornecedores, a pedido de um funcionário da igreja, emitiam notas fiscais superfaturadas como se os serviços houvessem sido realizadas, quando, na verdade, não eram.

Morreu ontem o Pr Cesar Firme – morre mais um investigado da maranata pelo MPES – tudo muito estranho…

Morreu ontem o Pr Cesar Firme, ele era um dos investigados no escândalo da Maranata.

Segundo parentes ele foi fazer um exame chamado cateterismo e teve um infarto fulminante. Alergia ao medicamento injetado? Excesso de contraste? Ou será o que chamamos de super dosagem? Choque anafilático? Como e onde ocorre o choque anafilático?

Nos casos mais graves onde o paciente desenvolve dificuldade respiratória e choque circulatório, pode-se evoluir rapidamente para o óbito se não for tratado a tempo. Esses casos mais sérios de choque anafilático normalmente ocorrem após infusão de medicamentos por via venosa ou picadas de insetos. Pode ser mera coincidência mas todos os caixas pretas desse esquema corrupto estão morrendo de forma misteriosa. Lembrando o acidente do Pr. Julio Cesar, acidente Pr Joelson e agora Pr Cesar Firme morre ao fazer um exame. E não me venham dizer que isso é mão de Deus, justiça de Deus, porque Deus não é vingativo , Deus é amor. O que está por trás dessas mortes? Eram peças importantes no inquérito instalado pelo MP. Testemunhas importantes e morrem do nada! Tem que começar a olhar a lista dos arrolados nesse inquérito porque daqui a pouco vão morrer outros e essas mortes vão ficar assim sem explicação?

Os investigados desse esquema devem se preocupar porque as coisas estão muito esquisitas, mortes estranhas, pastores morrendo até em exames de rotina.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/11/a-falsa-uncao-gera-morte/#comment-49928

leiam também:

http://xa.yimg.com/kq/groups/15415145/1609510290/name/Procedimento+Adm+PES.pdf

igreja maranata – Você sabia que o mannaim-es, onde dizem ser o acampamento de anjos, existem armas de fogo, algo como um arsenal?

Paz!
Você sabia que o mannaim-es, onde dizem ser o acampamento de anjos, existem armas de fogo, algo como um arsenal?
Pena que quando a PF e o MP foram lá, os amigos da cúpula avisaram e limparam o terreno todo. Mas pena ainda que as pessoas que la estiveram e viram e sabem não tem coragem de denunciar, nem muito menos de testemunhar por medo. A justiça de Deus tarda mas não falha.

armas no maanaim

 

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/12/triste-fim-de-jornada-de-quarenta-anos/comment-page-5/#comment-49664

comentário:

Perguntas e mais perguntas a serem respondidas:

Porquê tanto policial protegendo o maanaim de Domingos Martins?

Protegendo as armas?

Porquê um arsenal de armas em um maanaim?

Para uso pessoal do alto clero da maranata?

Ou será que é fruto de contrabando financiado com o dízimo?

maranata – novidades da maramáfia – assim são chamado os policiais militares a serviço da obra de gedelti

PMs ganhavam R$ 50 para fazer segurança da Maranata

Valor era pago por dia, e serviço era feito nos Maanains, locais de retiro espiritual, com policiais de farda e arma

Vilmara Fernandes
vfernandes@redegazeta.com.br
Vinícius Valfré
vpereira@redegazeta.com.br

Policiais militares chegavam a ganhar R$ 50 por dia para fazer a segurança nos Maanains – locais de retiro espiritual – da Igreja Cristã Maranata. Lá alguns deles trabalhavam, em seus dias de folga, fardados e com arma que pertence à Polícia Militar. Essa é uma das muitas revelações das testemunhas que prestaram depoimentos ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que investiga desvios de recursos do dízimo doado pelos fiéis da igreja.

Em depoimento, uma testemunha relata que as “armas eram utilizadas em caráter pessoal”. E mais: que os policiais respeitavam nos setores da Maranata “a mesma hierarquia obedecida na Polícia Militar”. Disse, ainda, que “o Comando da PM já tinha sido informado”. O pagamento dos policiais, segundo outra testemunha, eram viabilizado com notas fiscais frias.

Foto: Vitor Jubini – GZ

 Vitor Jubini - GZ

Pastores da Igreja Maranata são alvo de investigação do Ministério Público

Cheques

Outro detalhe é que os pagamentos eram feitos, inicialmente em dinheiro. Mas, como aumentou o número de policiais trabalhando na igreja, a quitação dos valores passou a ser feita em cheques.

A presença de militares que atuavam na igreja chegou a intimidar até algumas testemunhas. Uma delas relata que emitiu notas fiscais frias a pedido dos pastores, ação que continuou mantendo porque temia a reação dos militares. “Havia muitos policiais, não sei se trabalhavam para o Presbitério. Um deles, convertido há pouco tempo, já havia praticado vários homicídios em Vila Velha”, segundo o relato em um depoimento.

Polícia Militar

O corregedor da Polícia Militar, coronel Marcos Celante, informou que policiais não podem usar farda nem as armas em trabalhos particulares. O uso da arma em dias de folga só pode ocorrer – acrescentou ele – em situações que ponham em risco a vida do policial.

Celante desconhecia o fato de que PMs atuavam, em suas folgas, fazendo a segurança de unidades da Maranata, como os Manaains. O coronel avaliou que, nesse tipo de situação, pode haver indícios de irregularidades, mas que precisam ser apurados “caso a caso”.

Pastores recebiam salário de R$ 8 mil

Nos depoimentos prestados ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), há pastores que afirmam receber até R$ 8 mil por mês. A informação contradiz os relatos de pastores e da própria Maranata, que afirmam não ser remunerada a atividade de pastor na igreja.

Um deles, em seu depoimento, diz que atuou em várias regiões no interior de um estado brasileiro e lá chegou a “receber R$ 8 mil por mês”, pagos pelo Presbitério de Vila Velha, a sede administrativa da igreja.

Fraudes

Os depoimentos das testemunhas reforçam que as supostas fraudes praticadas no caixa da igreja eram feitas por intermédio de notas fiscais frias, e que as ações tinham o propósito “de ajudar irmãos no exterior”.

Há ainda relatos de que alguns pastores tinham a função de viabilizar contatos no meio político. Há citações, inclusive, de que um deles “indicava candidatos a serem apoiados nas eleições”.

Outras informações dão conta de que alguns pastores chegaram a receber R$ 30 mil por mês por serviços prestados à Igreja, como assessoria jurídica. Um desses pastores teria, inclusive, articulado as irregularidades, postas em prática com notas fiscais frias.

Outro ponto frisado por várias testemunhas é que todas as decisões precisavam do aval do líder da igreja, afastado pela Justiça no final do ano passado.

Há relatos de pessoas que, ao discordarem das irregularidades que supostamente foram praticadas na igreja, acabaram sendo perseguidas ou demitidas. “Nas reuniões falavam mal dos que foram excluídos da igreja por deficiência espiritual”, relata uma testemunha.

Igreja diz que parou de contratar PMs

A Igreja Cristã Maranata, por intermédio de sua assessoria de imprensa, informou que a contratação de policiais militares para atuar na segurança dos Maanains foi feita por um ex-integrante da igreja, o pastor Mário Moraes.

Garante ainda que a contratação do serviço não está sendo mais utilizado pela igreja, assinalando que “foi extinto logo após identificadas as irregularidades por ele cometidas”, se referindo ao pastor Moraes.

Hoje, a segurança dos Maanains é feita por uma empresa privada. Por isto não seria mais necessária a contratação de policiais militares que faziam, em sua folga, a segurança destes locais.

Remuneração

A Maranata informou ainda que pastores da igreja não recebem remunerações. Porém, algumas pessoas, além de pastores, também prestam serviços ao Presbitério de Vila Velha, a sede administrativa da igreja. Citam como exemplo os advogados, que recebem pelos serviços prestados, não pelo pastoreio.

O pastor Mário Moraes informou, ontem, que a contratação dos policiais militares foi feita há muitos anos por ordem direta do ex-presidente da igreja, Gedelti Gueiros, afastado pela Justiça no final do ano passado. “Havia policiais, inclusive, que faziam a segurança pessoal dele e de sua família”, pontuou Mário.

Moraes, que deixou a Maranata e fundou uma nova igreja, a Louvai, afirma ter sido ele o responsável pela contratação da empresa de segurança privada. “Minha assinatura está no contrato feito com a empresa. Desafio a provarem o contrário”.

Prisão

Os quatro pastores da Maranata presos na última terça-feira continuam presos. O ex-presidente Gedelti Gueiros está em prisão domiciliar, em sua casa. O atual presidente, Elson Pedro dos Reis, e Amadeu Loureiro Lopes estão no Centro de Detenção Provisória de Viana II. Carlos Itamar Coelho Pimenta teve o pedido de habeas corpus negado ontem.
Matéria Maranata - Os detidos: Gedelti, Elson Carlos Itamar e Amadeu Loureiro

 

Relembre o caso

 

> Bens de pastores da Maranata crescem 6 vezes
> Pastor briga para retomar a liderança da igreja Maranata
> Operação apreende documentos em sedes da Igreja Maranata
> Fraude derruba toda a cúpula da Igreja Maranata
> Igreja Maranata: dízimo desviado em fraude milionária
> Pastor usou ‘visão’ para justificar desvio
> Envolvido em compras foi preso pela federal
> R$ 1,8 milhão doados à igreja
> Igreja contratou sobrinho de presidente
> Maranata: “uma igreja que surgiu da luta pelo poder”
> Maranata pagou R$ 941 mil em materiais nunca entregues
> Maranata: líder da igreja é investigado
> Crimes federais investigados

fonte: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/03/noticias/cidades/1419593-pms-ganhavam-r-50-para-fazer-seguranca-da-maranata.html

igreja maranata – As falas e orações diziam que Jesus estava voltando. Mas quem chegou foi a Polícia Federal.

Maranata: o Senhor Jesus saiu

Não percebem que as investigações não têm como objetivo atacar a igreja, mas sim defender os verdadeiros cristãos que têm sua fé explorada

“Bom senso” tardio

 

testemunhas contra a seita maranata eram intimadas com arma pelos fundadores e cúmplices

testemunhas contra a seita maranata eram intimadas com arma pelos fundadores e cúmplices

Diz a Bíblia no livro de Mateus: “Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, ali estarei Eu no meio deles”. Já as páginas policiais têm escrito uma verdade nada bíblica: quando o nome de Deus é usado para atender interesses de alguns engravatados, nem mesmo milhares reunidos tornam o momento Divino.

Ironicamente, a Igreja Maranata comemorou seus 45 anos em plena Praça do Papa, na semana do conclave! Lá estavam 130 mil fiéis renovando seus laços de fé.

A megaestrutura dava inveja a qualquer Edir Macedo: 9.500 voluntários, palcos gigantes, coral infantil de 1.500 crianças, adulto com 1.200 vozes, transmissão via internet para 97 países e 2.200 ônibus de fiéis. Na frente uma enorme faixa anunciava: “O Senhor Jesus vem!”. Segundo as más línguas, Cristo quase ficou preso nos engarrafamentos caóticos que surgiram na cidade.

bonecos da obra maranata

bonecos da obra maranata

As falas e orações diziam que Jesus estava voltando. Mas quem chegou foi a Polícia Federal. Dois dias após o megalouvor, quatro pastores da mais alta cúpula da igreja foram presos acusados de intimidar os fiéis que denunciaram a corrupção dos “homens de bens”.

As ameaças se davam de toda forma. E é curioso observar que, em seus atos, os tais “pregadores” contradizem a Bíblia do Gênesis ao Apocalipse.

No Salmo 22, Cristo é o pastor que conduz seu rebanho no caminho seguro. Já na Maranata, os pastores detidos conduziam os fiéis ao cartório, para mudarem seus depoimentos. No Salmo, o rebanho não teme o vale tenebroso. Já na Maranata, é o temor quem opera a mudança. Diziam: “Para o seu próprio bem, é melhor alterar seu depoimento”. Deu certo: dos vinte ameaçados, sete já mudaram suas declarações.

O Salmo 41 também anda riscado das escrituras: “O Senhor o sustentará em seu leito de enfermidade, e da doença o restaurará”, diz. Já na Maranata, os pastores visitam o “leito de enfermidade”, mas a restauração anda longe. Um membro de 62 anos afirma ter sido ameaçado na UTI, após uma cirurgia de ponte de safena, e até mesmo onde as visitas eram proibidas. Médico, o pastor Amadeu Loureiro foi de branco anunciar a boa nova.

A carta aos Efésios também foi arrancada das Bíblias que carregam debaixo do braço. No capítulo 6, o apóstolo Paulo escreve sobre a “armadura de Deus”, composta pelo “cinturão da verdade, couraça da justiça, sapatos do evangelho, escudo da fé e capacete da salvação”. Já na Maranata, a evangelização tem uma nova arma: a de fogo. Uma testemunha relatou que, ao chegar para conversar com seus líderes, foi recepcionada com uma arma que esperava em cima da mesa.

A Maranata manifestou-se. Em nota, a Diretoria negou tudo, falou de “cruzada religiosa” e disse confiar que “a Verdade prevalecerá”. Alguns fiéis acreditaram. Na internet, disseram que “a perseguição se dá porque as obras de Deus estão incomodando as forças do mal” e que “130 mil pessoas louvando a Jesus faz com que o inimigo se levante contra a Igreja do Senhor”. Não percebem estes que as investigações não têm como objetivo atacar a igreja, mas sim defender os verdadeiros cristãos que têm sua fé explorada.

Igualmente sem sentido é alegar que as prisões são “uma reação ao evento” de domingo. As denúncias de ameaças datam de janeiro. Curioso, na verdade, é a igreja comemorar os 45 anos em março, sendo que seu aniversário é apenas em outubro. Acaso?

Os fiéis que realmente amam sua igreja deveriam dar uma chance à lucidez e apoiar que a Maranata seja liberta daqueles que sujam seu nome. Se hoje as lideranças se reúnem em “dois ou mais” para rasgar os ensinamentos que pregam, cabe aos membros lutar para que “o Senhor Jesus venha”, antes de qualquer coisa, para a instituição.

Em toda essa história, os denunciantes é que têm dado exemplo de fé. Uma das testemunhas disse: “Morro, mas o que está escrito vai continuar, pois disse a verdade”. Vê-se, pois, que sua convicção carrega consigo a maior certeza do cristianismo, afinal, “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”.

Gabriel Tebaldi, 20 anos, é estudante de História da Ufes.

 

Fonte: A Gazeta

fonte: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/03/noticias/colunas/1419414-maranata-o-senhor-jesus-saiu.html