Arquivo da tag: casamento na obra

igreja maranata – eles afirmam que “casamento na obra” é o modelo certo para outras denominações e para o mundo – depois de casados, o homem tem total direito sobre a mulher, inclusive a prática do sexo anal

Na seita, eles afirmam que “casamento na obra” é o modelo certo para outras denominações e para o mundo. Casar na “oubra” é como se fosse casar no céu.

Porém o que sempre observava na grande maioria dos casais era um descompasso. Sempre notava a tristeza escancarada no rosto de algumas mulheres, outras choravam sempre nos cultos, outras muito carrancudas, eu e minha amiga ficavamos tentando entender o porque de vários comportamentos estranhos, sendo que elas haviam encontrado o “príncipe encantado”.

Aos poucos fui ligando as coisas…. e pude perceber que na aula dos jovens, não tem um estudo aprofundado de como deve ser o comportamento da mulher e marido no matrimônio. É ensinado apenas como conseguir a “rebeca” e o “isaque”, como manter o relacionamento após casados, isso eu nunca vi.

Outro detalhe importante, a ser observado é o comportamento masculino em relação as mulheres. Na minha 2° volta à maranata, namorei 2 obreiros, um da minha congregação e outro de uma cidade próxima. E eu sempre muito conversada, ia puxando da boca deles o que pensavam sobre matrimonio, relacionamento sexual, etc…e para minha surpresa ouvi a afirmação que depois de casados, o homem tem total direito sobre a mulher , inclusive a prática do sexo anal. Então eu perguntei, onde voce aprendeu isso??? As respostas foram: tem pastor que defende esta prática, e não tem problema algum, depois de casado, vale tudo! Bem irmãos, nem precisa dizer qual foi a minha resposta a esses “valetes da oubra”, a minha maior resposta foi o rompimento do namoro.

Mesmo depois de ouvir tamanha barbaridade, eu fiquei na dúvida, achando que era uma desculpa esfarrapada, usando o nome de pastor. Hoje vejo que não é, pois o CV já fez menção – condenando essa prática por ser humilhante e vexatória para a mulher – utilizada por alguns pastores e diáconos (espero que é a minoria que faz isso).

Para meu espanto, encontrei uma amiga qua alguns anos eu não a via, e esta saiu da seita tambem, hoje esta congregando em outra igreja, e me disse mais uma barbaridade; ela é parente de pastores da icm, diáconos, e descobriu que pastores na sua familia tambem faz o uso dessa prática.

É lamentável! É um absurdo! É questão de saúde!

É contrário ao modo natural da mulher!

Icemitas que talvez estejam sendo usadas dessa forma, digam NÃO! aos seus maridos, sejam quem for, pastor, ungido, diácono, obreiro… você é mulher e merece ser respeitada!

E ponto final!!!

A paz!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/11/muita-coisa-esta-errada-dentro-desta-igreja/#comment-49626

maranata – meu namorado é deficiente fisico – amamos a obra de cara e nos entregamos a tudo q nos oferecem sem questionar

irmaos,
eu e marido convertemos juntos na icm, viemos do mundo em um namoro de 3 anos, e proucuravamos uma igreja pois iamos constituir uma familia, o casamento para nos era questao de tempo. vamos aos detalhes: meu namorado é deficiente fisico ( hoje eu brinco com ele: voce `e todo estrupiado) iniciou nosso calvario, amamos a obra de cara e nos entregamos a tudo q nos oferecem sem questionar, queriamos nos casar demais, as familias concordavam todo mundo queria o casamento, ate que fomos comunicar a igreja…

nem vou me alongar nos detalhes, eu num tinha 15 anos, sabia o q tava fazendo eu amava demais e de verdade aquele homem e era reciproco. éramos maduros eu com 30 e ele 35… qual problema?

mas na icm aparencia conta muito, quase enlouqueci, muitos dons contrarios, ate ouvi (vc merece coisa melhor) e marcamos a data. batemos o pe e dons q num acabam mais, eu chorava ele triste.

um dia fui pedir opniao a pessoa q a igreja nao aconselharia… meu avo nao era crente, era muito catolico mas era meu avo, simples homem q me amava. perguntei a ele sobre minhas duvidas. Eis o conselho: pode casar minha filha esse moco vai te fazer muito feliz seu casamento vaidar certo ele e pedra 90, feijao sem bicho (foram essas palavras mesmo).

casei fora da igreja, fizemos um festao nao convidei os irmaos, 1 mes depois voltamos p a igreja ( amavamos a obra) tinhamos um carrinho, ai meu marido funcionario publico, passou num concurso e foi promovido. Ele me deu de presente um carro zero.

ai pronto eu tava com ele por causa de dinheiro… mais tristezas, magoas. engravidei(povinho ordinario) daos q meu bb ia nascer deficiente, por isso nao sofri, pq se amava o marido deficiente, imagine um filho? Esse povo num entende esse tipo de amor.

mas no 1 ultasson a criança era perfeita. No dia que ela nasceu, era a menina mais linda da maternidade, nao sei pelos problemas do meu marido mas todos queriam ver minha filha. a minha familia e a dele ficamos apaixanados com a criança e no hospital decidimos procurar outra igreja ( acordamos!!!). hoje temos 3 filhos lindos, perfeitos, sadios, somos um casal no minimo DIFERENTE e o que isso importa? trabalhamos, nos sustetamos servimos ao Senhor (na icm nao!!) e graças a Deus q dei ouvidos a pessoa certa e nunca duvidei, q o foi o Senhor q constituiu o meu lar. apsj atodos

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-13994

maranata – Uma das heresias é espalhar que os casamentos na Icm são eternos, porque são realizados na “obra”. Pura mentira, pois segundo meus trabalhos de campo, é na Icm, que atualmente estão ocorrendo os maiores números de divórcios!

A graça e a paz do Senhor Jesus!

Gostaria de deixar um recado para aquela jovem que postou no blog, que sentia rejeitada na Icm, por ser gordinha.

Querida irmã, o preconceito nesta seita é em todas as áreas! Eu, particularmente, sofri muito por ser solteira na Icm, e querer ficar solteira também! Tive alguns namorados lá, mas eu terminava todos os relacionamentos, porque os jovens que relacionei, não estavam a minha altura de pensamento e liberdade!!!

Querida, nas épocas em que aconteciam alguns casamentos, algumas irmãs me desprezavam, viravam as costas, etc. Eu sofria por ninguém me entender, mas eu tinha e continuo tendo algumas prioridades na vida, que vão além do casamento. Enquanto os casamentos aconteciam, eu concluía a faculdade, passei em concurso público, comprei meu carro….bem, consegui a tão sonhada independência financeira!

Acredito que ter um marido deve ser algo muito bom, prazeroso! Eu também quero! Mas, aí é que entra a questão… não podemos viver em torno disso, a vida não se resume em casamentos e sexo!

É isto que as jovens da Icm, precisam entender! A maioria, depois de casadinhas ou mal casadas, é que acordam para a realidade, e percebem que o negócio não é somente sombra e água fresca! Precisa haver maturidade, RESPONSABILIDADE, compreensão e aceitação do outro, com todos os possíveis defeitos, pois ningúem é perfeito!

Os ensinamentos na Icm, sobre namoro, casamento, é muito diferente das outras igrejas! Uma das heresias é espalhar que os casamentos na Icm são eternos, porque são realizados na “obra”. Pura mentira, pois segundo meus trabalhos de campo, é na Icm, que atualmente estão ocorrendo os maiores números de divórcios! Podem acreditar… em cada 10 casamentos realizados na seita, apenas 4 estão de pé ou em pé de guerra!

A vida de aparência nesta seita é brincadeira! Quero deixar um recado as jovens solteiras que sonham em casar…. espera verdadeiramente no Senhor, peça á Deus visão de futuro, construa seu presente, invista em você, acredite nos seus sonhos, seja você mesma, não ligue para o que os outros falem sobre a sua vida!

Seja solteira, seja casada, o importante é saber viver…e infelismente a grande maioria das mulheres, principalmente as Icemitas não sabem!

Um abraço a todas as irmãs e agradeço ao CV o espaço concedido!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-13831